Poerimas - 50 poesias

Poerimas

Poerimas é uma coletânea de 50 poesias divididas nos temas: amor, estudo, lutas, natureza, profissões e diversos. A maior parte foi escrita de 1997 a 1999, seguindo o estilo literário do Parnasianismo, que prega a objetividade e a fidelidade às regras da versificação. Ao longo dos anos houve apuração de adequação de forma das poesias já escritas e outras foram surgindo, sendo que a última escrita foi “Cachoeira” em 2017.

Todas as 50 poesias de Poerimas são compostas por 6 quartetos de rimas alternadas, cada qual com a sua devida métrica de sílabas poéticas obedecida em todos os versos. Com relação às rimas, não buscou-se o rigor das rimas ricas (com palavras de classes gramaticais diferentes), embora elas apareçam com certa frequência.

Uma característica de Poerimas foi a busca por escrever todos os versos de uma poesia com o mesmo número de toques (letras, pontuação e espaços). Essa técnica é aqui chamada de “toques/verso”, instituída para colocar mais um elemento estético de lapidação das poesias. Em máquinas de escrever, cujos toques tem o mesmo tamanho, esse efeito é facilmente percebido, pois todos os versos terminariam na mesma posição. No computador é preciso buscar fontes que imitem a máquina de escrever, sendo aqui escolhida a fonte Courier New. Segue a primeira estrofe da poesia “Cúmplices” para exemplificar esse efeito, sendo aplicados 29 toques/verso.



Na poesia Cúmplices também foi adotado o efeito de terminação com pronúncia idêntica e grafia semelhante dos versos que rimam. Essas terminações foram indicadas nesta primeira estrofe pelas cores vermelho e azul.

Poerimas é um resgate ao Parnasianismo, não em detrimento dos movimentos contemporâneos como Modernismo e Pós-modernismo, mas como forma de homenagear o trabalho de lapidação do verso tão empregado pelos poetas parnasianos.




Poesias